Cabeamento Estruturado – 6 subsistemas e normas técnicas

Assim como uma empresa possui equipe, pequena ou grande, para cada setor, para desenvolver trabalhos importantes e diferentes, acredite, o cabeamento estruturado ou rede estruturada é tão importante como qualquer tarefa à desenvolver para a contínua atividade da empresa.

Montar uma rede estruturada é a solução para a comunicação de voz e dados e, quando se trata de equipamentos de qualidade, eleva o aumento de performance e vida útil da comunicação interna. O cabeamento estruturado colabora para a economia de tempo e dinheiro, mas principalmente, para o gerenciamento de rede e da segurança da organização.

Principais normas de cabeamento:

Os projetos de cabeamento estruturado são regidos por padrões e normas internacionais. As normas tratam das disposições dos cabos, das infraestruturas de caminhos e espaços e de sua identificação e administração.

Com a criação dos cabos de par trançado, o cabeamento estruturado pôde enfim progredir e, por isso, também surgiu a necessidade de criar essas normas que padronizassem os cabos, seus conectores e também os procedimentos.

Agora vamos às normas mais conhecidas:

Observação: a maioria das normas é internacional, portanto, foram criadas por institutos e associações renomados, como a IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), TIA (Telecomunications Industry Association) e EIA (Eletronics Industry Association).

Norma EIA/TIA 568
Especificação geral sobre cabeamento estruturado em instalações comerciais.

Norma EIA/TIA 569
Especificação geral para encaminhamentos de cabo (Infraestrutura, canaletas, bandejas, calhas, etc).

Norma EIA/TIA 570
Especificação geral sobre cabeamento estruturado em instalações residenciais.

Norma EIA/TIA 606
Administração da documentação da estrutura de cabeamento.

Norma EIA/TIA 607
Especificações de aterramento.

Norma NBR 14565
Especificações brasileiras de cabeamento estruturado para Edifícios Comerciais e Data Centers (é equivalente a EIA/TIA 568).

Norma ISSO/IEC 11801
Norma europeia para o sistema de cabeamento de telecomunicações (é equivalente a EIA/TIA 568).

Norma TIA 942
Diretrizes para o cabeamento de fibra óptica (envolve, além da infraestrutura e da tipologia, a segurança, a proteção contra incêndio e proteção ambiental).

Todos esses padrões definem o tipo de cabo utilizado, bem como os limites e requisitos (distância, segmentos, frequência etc.) que a estrutura deve atender para garantir o funcionamento adequado.

Subsistemas do cabeamento estruturado:

O cabeamento estruturado é dividido em seis subsistemas e cada um possui suas próprias especificações de instalação e desempenho. Saiba mais sobre eles:

  • Cabeamento Horizontal (HC – Horizontal Cabling): subsistema responsável pelas conexões da sala de telecomunicações (TR), até a área de trabalho (WA). 
    Em outras palavras, ele distribuirá o cabeamento entre as áreas de trabalho dentro de das salas do mesmo andar/pavimento.

  • Cabeamento Backbone (BC – Backbone Cabling): realiza a interligação entre as TR, as salas de equipamentos e os pontos de entrada (EF). 
    Ele é constituído pelos cabos de backbone e cross-connections intermediário e principal, cabos de conexão, conexão entre pavimentos e cabos entre prédios (campus backbone). 
    Simplificando, ele interliga os andares/pavimentos de uma edificação.

  • Área de Trabalho (WA – Work Area): espaço físico onde o usuário trabalha com os equipamentos de comunicação. Constituído por computadores, telefones, etc., cabos de ligação e eventuais adaptadores. São as conhecidas estações de trabalho.

  • Sala de Telecomunicações (TR – Telecommunications Room): espaço destinado para aacomodação de equipamentos, terminações e manobras de cabos. Esse é o ponto de conexão entre o backbone e o cabeamento horizontal. 
    Os cross-connects são alojados nos (TR), podendo ou não possuir elementos ativos. Em um ambiente corporativo maior, são usualmente salas em cada andar/pavimento para acomodar os racks com os equipamentos. 
    Em empresas menores, podem ser apenas racks menores, acomodados em armário, prateleira ou fixados na parede dos andares/pavimentos.

  • Sala de Equipamentos (ER – Equipment Room): espaço onde são colocados os principais equipamentos ativos da rede, como PABX, servidores, switches, hubs, roteadores, etc. 
    Nesta área costuma-se instalar o principal painel de manobras ou main cross-connect, composto de patch panels, blocos 110 ou distribuidores ópticos. Normalmente a sala onde ficam os equipamentos principais da rede. 
    É comum que dividam espaço no CPD e fiquem próximos aos racks de servidores e outros dispositivos principais de TI, mas podem ter sala exclusiva dependendo do tamanho da empresa.

  • Entrada do Edifício (EF – Entrance Facility): ponto onde é realizada a ligação entre o cabeamento externo e a entrada no edifício dos serviços disponibilizados. São as caixas onde chegam os links, linhas e outros serviços oferecidos pelas empresas de comunicação.

No total, o sistema de cabeamento estruturado é composto por 6 subsistemas, cada um com suas próprias especificações de instalação, desempenho e teste.